segunda-feira, 31 de março de 2008

A família cresceu!

Pois é minha gente. Neste final de semana o clã dos Reis Sanches ganhou um novo membro! Vinda diretamente das ruas de São Paulo, apresento Alfreda Berrini Reis Sanches. O nome ainda não me agradou muito, mas por enquanto é este - aceito sugestões, dentro dos padrões Legs e .(edu de nomes de pets. Agora vamos aos detalhes do caso!



Sabadão, eu e o Du saímos para visitar algumas lojas de carros. A primeira (e única) parada foi em uma agência na Berrini, perto da Av. Água Espraiada (não, não vou chamar de Roberto Marinho - ô mania de mudar nome de vias já tradicionais só por causa de mais um mortinho. Vai dar nome dele em rua nova, catzo!). Chegamos lá, fomos ver os carros, coisa e tal, e caminhamos até a parte de escritório. Eis que surge a fofita, vinda do terreno ao lado, e se senta calmamente na porta do lugar. Eu já fiquei com meu coração na mão, com medo de que alguém da loja fosse expulsá-la de lá. Nem quis saber mais PN de carro, fui fazer carinho nela.

Na saída o Du perguntou se ela era de lá da loja. O cara já me manda um "eu não gosto de gatos, ela apareceu aí" e eu fui ficando daquele jeito, quem me conhece sabe. Entramos no carro e fomos embora, eu num desespero interno, pensando nela ali, faminta. Nem ouvia o Du falando dos carros...

Eu estava já aos prantos, o Du olhou pra mim e, mesmo sabendo a resposta, perguntou: "quer voltar lá e pegar a bichinha?". "Snif, snif! Quero!". O que mais me vinha à cabeça era uma propaganda que diz "se você não pode fazer tudo, faça tudo que pode". Eu tinha em casa um quarto onde podia deixa-la confortável, segura, com comida, banheirinho, como iria deixa-la pra trás se foi amor à primeira vista?

Voltamos pra casa, peguei a caixa de transporte e um envelope de Whiskas sachet pra facilitar a "captura"! O Du estava preocupado de não encontrarmos mais ela, mas eu tinha certeza de que ela estaria lá me esperando. Chegamos (o caminho parecia ter 500km) e lá estava ela! Ficou alucinada pra comer o bla bla bla Whiskas sachet, mas até que desconfiou de entrar na caixa.

Desde sábado está em casa, toda fofa, carinhosa, ronronando e... em contagem regressiva pra ter seus filhotes! Ela está beeeeeeeeeeeeeeem grávida! Logo mais vou pedir a ajuda dos meus amigos pra doarmos os bebês. Quanto a ela... eu acho que não consigo me separar mais!


Freda e sua pança, com uns 5 ou 6 gatitos. Você tira a gatinha da rua, mas não tira a rua da gatinha! Ela tem caminha, cobertor, lençolzinho... mas A-D-O-R-A mesmo é a caixa de papelão!

quarta-feira, 19 de março de 2008

Listen to the music



Antes de me atentar aos fatos, eu ouvi essa música no Slava Snow Show. Depois ouvi de novo no filme Mais Estranho que a Ficção. Nesta semana eu comentei sobre o show com minha amiga amada super poderosa Pri e ouvi um trechinho dela no site do Slava. Ontem eu vi o filme de novo e caiu a ficha. Então pude procurar a música.

Adoro. Ela é meio estranha, meio fantástica, meio antiga. Sabe quando parece música de sonho? Adoro.

sexta-feira, 14 de março de 2008

I have a bad case of diarrhea

Eu estava pensando, meditando, analisando alguns assuntos sobre os quais escrever hoje, absorta num mundinho sério e engajado, numa vibe Vila Madalena. Fui com meu potinho de sementes de girassol descascadas para o escritório e comecei a clicar, navegar, fuçar e acabei no site Papel Pop, que inspirou a paródia (já finada e citada) Papel Pobre. Nem vou dar o link porque esse site é bobo e tem cara de lancheira, mas foi lá que eu achei exatamente o oposto do que eu esperava de inspiração.

Achei um programa que ensina inglês para japoneses. Bizarro! Inacreditável! Non sense total! Eles encenam um assalto a uma neusa indefesa em um cenário mais pobre que o da Praça é Nossa, com uma musiquinha de teclado da Galeria Pagé (sim, eu vi em algum lugar que o pajé deles é com G). De repente, corta a cena para 3 neusinhas em roupas de aeróbica, vindas direto dos anos 90, que começam a dançar como aluninhos de primário na apresentação de final de ano da escolinha do bairro e a falar a frase da vez em inglês! Não acredite em mim, veja o vídeo!

Depois de assustar meus gatos com as gargalhadas que dei sozinha e ingenuamente crente de que nada seria pior que isso, vejo outro vídeo dessas aulinhas, dessa vez com o tema "tô passando mal" e uma coreografia meu pintinho amarelinho do Gugu. Olha. É de lá que vem o título do post.

Depois desse descobri o vídeo que 3 americanas fizeram como sátira ao primeiro. Também muito bom!

Me deu vontade de fazer uma também!
Spare me my life! Spare me my life! Don't fuck me in the ass! Don't fuck me in the ass!

terça-feira, 11 de março de 2008

À mulherada amiga do meu coração

Bem, eu perdi/passei o dia inteiro hoje lendo os arquivos do Te dou um dado? Se alguma coisa me valeu nos tempos em que trabalhei em produtoras e agências web foi aprender tags de HTML e "ler" URLs pra conseguir acessar o que seria quase inacessável. Pois bem, Tico, Teco e Chiquinho (meus três neurônios) deram-se as mãos e eu consegui ler os arquivos dos meses que faltavam.

Eis que eu vi esse post. Sério. Olha isso. Daí eu me revoltei pelo tanto de compréquiço que esses photoshop filho duma égua têm acumulado nimim esses anos todos.

Então vamos comer um Big Mac com bastante gorduuuuuuuuuuuuura pra celebrar.

segunda-feira, 10 de março de 2008

Te dou um dado?

Aos fãs do falecido Papel Pobre, uma ótema descoberta: Te dou um dado?

Clica que é bom.

Pena que sumiram os links do arquivo, eu tava me divertindo tanto nesse final de semana fuçando tudo!

Mutirão de Pintura

Sábado foi dia de muito trabalho. Fizemos um mutirão e fomos pintar o canil do Batalha Animal. Além de questões estéticas, afinal, nunca é demais deixar o lugar mais bonitinho, a pintura é importante para afastar bichos, principalmente carrapatos.

Acordamos cedo, nos esfolamos das 10 às 16 horas, ficamos cobertos de tinta dos pés à cabeça, mas foi uma delícia! Acabei me apaixonando por vários cãezinhos de lá e fiquei morrendo de vontade de me mudar pra uma casa pra poder adotar alguns - em especial o Tico, que morre de medo de tudo e de todos, o Floquinho, que é cegueta e feliz da vida e o Meninão, que com todos os seus 55 quilos é o cão mais doce do mundo. Olhem as fotos!












Eu, Lu e Wendell, no pedaço em que foi praticamente uma aventura selvagem trabalhar: estava cheio de aranhas por lá, e infelizmente uma delas acabou toda pintada de verde :o(















Leo e Carla: esses são meus ídolos, são vegetarianos de não comer NADA de origem animal. Nem leite. Nem ovos. Ah, como eu queria ser assim. No mínimo presunto eu tenho que parar de comer, acho porquinhos tão lindos. É incorreto de minha parte gostar de cães e gatos e comer bois, porcos e frangos.















Cu(nhadão) e Cu(nhadinha), já sujinhos dos pés à cabeça!















Meninão e eu! Ele é lindo, fofo, maravilhoso, me APAIXONEI! Já ele devia estar meio de saco cheio de mim, olha a cara dele!













Fiona dando sua contribuição ao trabalho de pintura. Seu amigo ao lado não escapou dos respingos de tinta!















Ufa, cansamos! Mas no próximo final de semana tem mais!