sexta-feira, 28 de novembro de 2008

Momento tranqueira

Olhando essa foto da Vera Fisher feita durante as gravações de mais uma novela que não vou acompanhar, senti que já tinha visto essa personagem antes... mas onde?

Então eu me lembrei!


Bernadette Bassenger, a traveca véia de Priscilla, a Rainha do Deserto!

terça-feira, 25 de novembro de 2008

No tribunal

Ai, hoje passei por uma nova experiência: uma audiência no tribunal do trabalho. Bom, o fato de ter que ir lá já indica que alguma coisa sacal está acontecendo comigo. Pois é, está. Estou movendo uma ação contra a empresa em que trabalhei e que até hoje, mais de um ano depois, ainda não me pagou nenhum puto das verbas rescisórias. Nada. Neca de pitibiribas. Como eu tem pelo menos mais uns 40 na mesma situação, cada qual chorando suas pitangas.

A audiência era pra ter acontecido em junho, mas minha advogada queria citar, ou seja, chamar, mais 2 empresas. Aí a brincadeira foi adiada pra janeiro de 2009. Só que helloooooo, estarei com um filho recém nascido nos braços. Uma declaração do meu médico depois e a data foi adiantada pra 25 de novembro de 2008. Lá fui eu hoje, marido/motorista particular e testemunha de braços dados.

Primeiro tivemos o encontro no escritório da advogada pra passar as perguntas, esclarecer os pontos e tudo mais. Pra ajudar, foi bem na hora do almoço e eu não consigo comer quando tem alguma coisa me deixando nervosa. Desculpa filho, mas tudo que mamis conseguiu engolir foi o café da manhã e um suco. Depois fomos pro tribunal.

Chega lá, aquela coisa tensa, espera ser chamado, somos chamados, entra todo mundo, advogados, pessoas, juiz, coisa e tal... e descobre-se que aquelas 2 empresas tão importantes que valeram o adiamento da audiência em junho simplesmente não foram informadas sobre a mudança pra data de hoje. Ou seja, não se resolveu porra nenhuma. Mais uma nova data, agora em maio do ano que vem.

Não vou nem começar a choradeira revoltada de como tudo isso dá raiva, do sentimento de que só os pilantras se ão bem nesse mundo. Fica pra depois. Só sei que depois de lá fui matar minha fome dupla com um belo filet a parmigiana e ainda aproveitei pra visitar os quartos da maternidade em que vamos ficar.

Quem sabe até meu filho chegar à faculdade eu veja alguns cobres no meu bolso?

Terminei!

Acabei minha maratona Sex and the City! Vi tuuuuuuuuuuuudo! Sei de tuuuuuuuuuuuudo! Mas não usaria boa parte das roupas e acessórios, muito conceituais e estranhos pro meu gosto, e ainda recomendaria umas aulinhas de etiqueta para que a Carrie pare de falar de boca cheia e também de segurar o garfo feito um caminhoneiro que está batendo um rango no restaurante à beira da estrada.

Ah, vou sentir saudades! Era fabulous!

sexta-feira, 21 de novembro de 2008

Separação


Por mais que fosse programado, planejado, esperado, não tem como não sofrer. Foram mais de 7 meses de convívio, desde antes de nascer até vê-los grandes e integrados com a casa. Por mais que eu saiba, que eu tenha a certeza de que os novos pais são, graças a Deus, pessoas que amamos e são nossos amigos próximos, o que significa que poderemos visita-los sempre, a separação dói como uma pequena morte.

Hoje de manhã eles já não estavam lá miando e me esperando colocar a ração. Não estavam lá bagunçando e me deixando louca com as coisas fora de lugar. Ninguém tentou lamber meu pão com requeijão. Ninguém tentou enfiar a cara enquanto eu ainda limpava a caixa de areia. Ninguém saiu correndo desembestado pela sala, me fazendo proteger a barriga. Ninguém tentou entrar sorreteiramente pelo quarto enquanto eu achava que tinha despistado todo mundo. Nenhum dos meus três pequenos.

A vida segue seu curso e o curso da minha Familinha Trapo não poderia ter sido melhor. Uma gata resgatada das ruas, integrada à minha família que já contava com outros 4 gatos adultos e 5 bebês que ganharam lares, amor e atenção. E consegue ser ainda melhor, porque foram adotados por pessoas próximas e eu estou sempre a um telefonema de visita-los e matar as saudades. Mas eu vou precisar de um tempo pra me acostumar a ver a casa só com gatos grandes e tranquilos dormindo pelos cantos...

quarta-feira, 12 de novembro de 2008


Olha que presente ganhei do meu amor! Você é o amor de todas as minhas vidas Du! E tenho certeza que vai ser o melhor pai do mundo pro nosso Tato!

terça-feira, 4 de novembro de 2008

Ai que preguiça...

Tenho me comportado muito bem durante a gravidez. Não tingi o cabelo, mesmo tendo 2 metros de raízes e fios brancos aparecendo, estou me alimentando bem e em porções pequenas, diminuí o consumo de sal, parei de tomar refrigerantes, ainda que tenha abusado no começo, escolho muito bem os alimentos quando como fora e por aí vai. Só uma coisa não fiz até hoje: exercícios.

Já estava parada antes de engravidar. Fiz pilates por quase um ano mas interrompi quando saí do emprego e não retomei mais. Meu médico me aconselhou a caminhar e fazer hidroginástica. Eu até peguei autorização dele pra cair na piscina, procurei escola e maiô. Mas aí tive que ficar um pouquinho em repouso e o tempo foi passando. Agora, com 31 semanas de gestação, é que não vou mais mesmo começar a aula.

Eu poderia caminhar, mas meu medo de tudo ficou um pouco maior nesse período. Eu não tenho coragem de sair a pé sozinha pela vizinhança. Tenho receio de passar mal, de atravessar a rua e ser atingida por algum maluco, enfim, de tudo que possa acontecer de errado numa caminhada quando seu centro de gravidade e sua agilidade já não são mais os mesmos.

Não tenho encanações sobre o parto, se vai ser cesárea ou normal. Sempre que me perguntam, eu digo que vai ser o que Deus quiser, que eu só desejo o que for melhor pra saúde do meu filho e pra minha. Mas essa coisa de não ter me exercitado... essa sim tem me encanado e me dado um certo sentimento de culpa.

segunda-feira, 3 de novembro de 2008

Mudei de opinião

Lembram da minha lista de azedume? Pois um item dela mudou radicalmente. Mudou não, teve que sair. Eu assisti o filme Sex and The City e adorei, amei, viciei.

Tenho que assumir a porção "Creuza tássissintindo" e dizer que assisti no avião, voltando de NY. Não tinha nada pra fazer, óbvio, o Du tava roncando do meu lado e eu tava acesona. Dentre as opções de filmes eu achei essa a melhor, pois não queria nada sério ou amedrontador. Aí fui assistindo, reconhecendo os locais por onde tinha passado, dando o braço a torcer e gostando das roupas e sapatos e záz, virei fã.

Quando voltei pedi a 1ª temporada emprestada pra Lu e assisti tudo numa tarde. Agora fico assistindo tudo fora de ordem quando passa no Multishow e no Fox Life, mas quero urgentemente alugar os DVDs pra ver tudo na ordem!