terça-feira, 31 de agosto de 2010

Alienadinha

Eu estou me alienando pra sobreviver. Não assisto noticiário, mal sei quem são os candidatos às eleições, não sei quais são as últimas desgraças da cidade. Tudo o que sei é a grade de programação do Discovery Kids e do Nickelodeon, o que está acontecendo em alguns seriados, as desculpas inventadas pela Paris Hilton na última prisão e que a Palmirinha vai pra Globo.

Só assim eu consigo me manter sã.

terça-feira, 3 de agosto de 2010

De volta à minha época

Todo mundo já sabe e já falou que hoje em dia não conseguimos viver sem coisas que alguns anos atrás eram totalmente dispensáveis, até mesmo porque nem existiam. Era internet, celular, forno de pizza em casa e, mais recentemente, festa em buffet infantil.

Já fui em muitas, da família, de amigos, de amigos dos meus sobrinhos. No primeiro aniversário do Tato optei por não fazer em um desses. Tendo o privilégio de morar numa casa espaçosa e o saco e a vontade de fazer esse tipo de bagunça no próprio lar, foi a escolha que pareceu mais acertada para nós. Fizemos tudo do nosso gosto, no horário que quisemos, sem hora pra acabar. Bem, quer dizer, acabou tendo hora pra terminar porque, mesmo sendo em casa, achei que seriam necessárias algumas coisas especiais para que a festa do Tato fosse digna de um primeiro aniversário - e que têm hora para serem retiradas. Aluguei uma mesa enorme, dessa que montam em buffet; aluguei brinquedos pras crianças mais velhas; arrumei um cantinho com brinquedos de bebê para os pequetitos; contratei fotógrafa (Gabi Butcher, super recomendo!) e ajuda extra para servir e arrumar a casa. No final das contas, não economizei muito se comparando com buffets mais simples e o resultado foi uma sala enorme que ficou pequena com a mesa imensa, brinquedos às moscas porque as crianças maiores não quiseram nem saber deles, nem o cantinho dos bebês teve utilização. O saldo é que eu não me arrependo de nada e acho que o primeiro aniversário do meu filho foi exatamente como eu sonhava.

Só que não dá pra repetir a dose todo ano. Depois que passa a euforia e o excesso de zelo com o primeiro filho, vamos percebendo as coisas que realmente fazem a diferença pra que ele tenha uma infância feliz e pra que tudo combine com a realidade financeira em que vivemos sem perder o carinho e o cuidado. Eu me lembro até hoje que no meu aniversário de 4 anos minha mãe fez uma linda torta de maçã, pôs a mesa, chamou poucos amiguinhos e cantou parabéns. Eu estava feliz da vida! As fotos estão aí até hoje para mostrar meu sorriso. Depois desse eu ganhei muitas festinhas feitas em casa, com enfeites caprichados montados pela minha mãe e minhas irmãs - até as garrafas de guaraná elas decoravam! Mas eu me lembro com muito carinho dessa festinha simples de quase 31 anos atrás.

Neste ano vou tentar simplificar as coisas ainda mais na hora de comemorar os 2 aninhos do Tato. A mesa eu já tenho. É uma super mesa coringa que montamos nas reuniões em casa, que nada mais é do que uma porta com 2 cavaletes comprados no Leroy Merlin, e que não vão tomar a sala toda. Decoração vai ser by 25 de março ou, quando muito, Palácio dos Enfeites. Salgadinhos da padoca que manda muuuuuuito bem, docinhos que eu mesma faço e bolo encomendado - mas nada de pasta americana, um bom e velho bolo com raspas de chocolate. Ah, e o mais importante: a casa cheia de pessoas queridas e um menininho sapeca correndo, feliz da vida, fazendo a maior bagunça, sabendo que o amor que temos por ele é astronomicamente maior que o preço do mais caro dos buffets!